Jogos do futebol - Alfredo di Stéfano

Monday, 5 December 2011 0 comments

- Currículo Vite -
Nome     -      Alfredo di Stéfano Laulhe
Born       -      04 de junho de 1926 (Buenos Aires, Argentina)
Posição      Centro Encaminhar
Caps       -      41 [1] (29 gols)
Clubes   -  River Plate, Huracán, Millonarios de Bogotá, Real Madrid, Espanyol
Como
                         treinador Alfredo di Stefano foi ativo para Elche, Boca Juniors,
Valencia,
                         Lisboa Sporting, Rayo Vallecano, Castellón, River Plate e Real Madrid
Troféus -     Argentina
                         1x Copa América (1947)
                         Real Madrid
                          1x Taça Intercontinental (1960)
                          5x European Cup (1956, 1957, 1958, 1959, 1960)
                          8x Campeão Espanhol (1954, '55, '57, '58, '61, '62, '63, '64)
                          1x Taça de Espanha (1962)
                          River Plate
                          2x Campeão Argentino (1945, 1947)
                          Millonarios de Bogotá
                          Campeão colombiano 3x (1949, 1951, 1952) [2]
                          Como treinador Alfredo di Stefano ganhou o European Cup  
                          Winners Cup (1980) eo  campeonato espanhol (1971) com o  
                          Valencia, o campeonato argentino com Boca Juniors (1970) e  
                          River Plate (1981), ea Taça de Espanha com Super Real Madrid (1991)
Honras  -       2x Futebolista Europeu do Ano (1957, 1959)
                         1x Melhor Marcador Argentina (1947)
                         2x Melhor Marcador da Colômbia (1951, 1952)
                         5x Melhor Marcador Espanha (1954, 1956, 1957, 1958, 1959)

- Biografia -

Alfredo di Stéfano foi a força motriz por trás de dominação do Real Madrid da Taça da Europa no final dos anos 1950. Real conquistou o troféu cinco vezes seguidas, com a rubia Saeta (seta loira), como o argentino foi chamado por causa de sua velocidade, marcando em cada uma das finais. Di Stefano foi um incrivelmente versátil para a frente, que combinou velocidade com uma técnica soberba, stamina, insight tático, e uma habilidade para marcar gols. Não é pois de estranhar que muitos acreditam que ele seja o melhor jogador all-round na história, se de fato não o melhor jogador certo.
Di Stefano começou sua carreira no River Plate, o clube que seu pai tinha jogado, mas a concorrência a partir de uma muito bem sucedida estabelecida atacando line-up fez com que ele jogou sua primeira temporada completa em 1946 emprestado ao Huracán. Diz a lenda que sua primeira partida pelo clube foi contra seus empregadores, River Plate, e que Di Stefano marcou poucos segundos do início do jogo. Sala próxima temporada foi encontrado na equipe para o jovem atacante no River Plate. Di Stefano não decepcionou, produzindo 27 gols em 30 jogos e terminando como artilheiro do Rio ganhou o campeonato. Ganhou-lhe um lugar na equipe argentina para a Copa América 1947. Di Stefano foi como reserva, mas lesões o vi fazer parte da equipe e mais uma vez ele não decepcionou aqueles que tinham colocado nele confiam. Ele marcou seis gols em seis partidas como a Argentina venceu o torneio.
Millonarios de BogotáEm 1949, a Argentina viu-se nas garras de uma greve geral que paralisou também o futebol profissional. Os clubes responderam ao terminar a temporada com substituições amadores. Muitos profissionais buscaram refúgio em campeonatos estrangeiros. Di Stefano foi persuadida a arrancar para a Colômbia, onde uma liga selvagem foi sendo jogado desde FA do país tinha cortado os laços com que é FIFA. Ele assinou com o sugestivo nome Millonarios de Bogotá. O argentino iria ficar em Bogotá por três temporadas e meia, ganhando três títulos e no topo da lista marcadores colombianos topo duas vezes. Em 1952, como parte de uma turnê mundial, Millonarios apareceu em um torneio que Real Madrid foram de hospedagem para comemorar seu 50 º aniversário. Millonarios, uma força a ser reconhecida naqueles dias, ganhou o torneio e Di Stefano atraiu a atenção de olheiros espanhóis.
Alfredo di Stefano em ação durante a final da Taça da Europa 1956
Logo ficou claro que o futuro de Di Stefano seria mentira na Espanha, com Barcelona, ​​aparentemente a caminho de assinar o Sul-Americano estrela. Mas a chegada de Di Stefano no país em maio de 1943 provou ser o início de uma farsa sem precedentes que terminou com ele juntar o Real Madrid. Seguidores Barcelona têm, desde então, convencido de que seu clube por fora do que viria a ser um dos maiores jogadores da história do futebol europeu de clubes foi o resultado da travessuras nos bastidores do regime de Franco odiado. Na verdade Barcelona tinha feito uma bagunça completa das negociações de transferência com Millonarios por si mesmos, e acabou assinando um acordo de transferência apenas com o River Plate. Virando-se para um clube que o jogador não tinha jogado no quase quatro anos não era tão estranho quanto parecia. Devido às circunstâncias curioso de mover Di Stefano à Colômbia sem taxa de transferência tinha mudado mãos e River Plate foram no seu direito de afirmar que foram eles que ainda tinha os direitos de transferência para o jogador. No entanto, deixando de fora Millonarios do negócio parecia que Barcelona foram a caça de Di Stefano os colombianos, que é FA tinha por esse tempo voltou FIFA e que estavam muito dispostos a compartilhar a taxa de transferência com o River Plate. Consequentemente, a FA espanhol decidiu não aprovar a transferência.
No tumulto que se seguiu, o presidente do Real Madrid Santiago Bernabéu foi capaz de juros Di Stefano em assinar pelo seu clube em vez e concluiu um acordo de transferência com Millonarios. Agora ambos os clubes poderia alegar ter comprado Di Stefano. Mais de três meses após a chegada do argentino no país, a FA Espanhol Solomonically decidiu que os clubes vão ter que compartilhar o jogador. Di Stefano iria jogar a temporada de 1943-1944 para o Real, e depois mudar para Barcelona para a próxima temporada. Os clubes e relutantemente concordou em setembro de 1943 Di Stefano fez sua estréia no Campeonato Espanhol. Quando o negócio se tornou conhecido na Catalunha, um tumulto se seguiu, que terminou na placa Barcelona renunciar suas posições. A diretoria interina decidiu que é melhor era simplesmente esquecer Di Stefano e vendeu sua parte dos direitos de sua transferência para o Real. Sua decisão pode ter sido influenciado pelo fato de que Di Stefano, que mal tinha jogado uma partida em meses, não tinha sido tão impressionante no Real Madrid ainda. Eles poderiam ter arranhado sua cabeça quando o atacante argentino marcou um hat-trick contra o Barcelona apenas dias depois que o negócio foi escrita.
Di Stefano tenta backheel a bola passado Man United goleiro Harry Gregg
Real Madrid
Agora, como o prazer dos 27 anos de idade, Di Stefano realmente deve ter sido com termina jogando pelo Real em vez de Barcelona, ​​ficou muito até para a questão. Barcelona tinha ganho a liga espanhola quatro vezes nos últimos seis anos, enquanto Real Madrid não tinha sido capaz de gerir a conquista do título por não menos de 20 anos. Mas a sorte do Real pegou uma curva acentuada para melhor com a chegada de Alfredo di Stefano. Eles tiraram a sorte grande em sua primeira temporada, ganhando o campeonato pela primeira vez desde 1933, com o seu atacante sul-americana no topo da lista scorers Espanhol topo. Provaria o início de uma Idade de Ouro sem paralelo na história do futebol. Durante onze Di Stefano anos em Madrid, o clube ganhou o campeonato oito vezes. Como se isso não bastasse, eles também venceu as cinco primeiras edições da Taça da Europa, de 1956 a 1969, a Copa Intercontinental inaugural em 1960, e um copo de espanhol em 1962. Di Stefano liderou a lista artilheiros em cinco ocasiões durante seus anos na Espanha, e marcou um gol em cada um dos cinco do Real Copa Europeia.

Que renascimento do Real Madrid começou quando Di Stefano chegou ao clube não foi coincidência. The Real do final dos anos cinqüenta abrigou mais estrelas, como Gento, Kopa e Puskas, mas nenhum teve o impacto de Di Stefano. Ele era muito mais do que apenas um objetivo getter. Longe de conteúdo para gastar é objetivos caça tempo, ele costumava cair de volta para dirigir o jogo ou ajudar a defender. No entanto, graças à sua velocidade e resistência incrível que pudesse ser sempre contou com a torná-lo de volta na frente quando se importava. Sua abordagem ao seu papel foi revolucionário. Ele pode muito bem ter sido o primeiro atacante a defender ativamente quando a oposição estavam de posse. Ele falou volumes de sua firme convicção de que o futebol era um esporte de equipe e ninguém deve imaginar-se maior do que o da equipe. O outro lado de sua vontade de subjugar-se ao interesse da equipe foi o fato de que ele esperava que seus companheiros de equipe para mostrar o mesmo esforço e vontade de vencer que ele exibiu. É revelador que em uma entrevista há alguns anos atrás, Di Stefano falou de sua irritação com o hábito no futebol de hoje de agradecer um jogador do companheiro com aplausos ou um pequeno gesto para passar a bola, mesmo que a passagem mostra ser incorrecta. No dia da grande Madrid o Real um jogador que estragou-se uma passagem importante teria conseguido graças uma bronca em vez de receber. A barra nunca pode ser levantada muito alto.
Alfredo di Stefano poses com os cinco títulos europeus ajudou a vitória do Real

EspanhaAlfredo di Stefano foi eleito Futebolista Europeu do Ano em 1957 e 1959. Ele se classificou para que, graças ao seu título ter solicitado, e, posteriormente, recebeu a cidadania espanhola em 1956, após o Real havia solicitado a fazê-lo, a fim de habilitá-los ao campo um jogador extra estrangeiros. Como resultado Alfredo di Stefano pode agora representar a Espanha no plano internacional. Embora Di Stefano já tinha virado de trinta anos, era um presente o gerente nacional da Espanha não ia recusar. Di Stefano recebeu seu passaporte em outubro de 1956 e fez sua estréia para a Espanha em janeiro de 1957, imediatamente produzindo um hat-trick contra a Holanda. Promissores como o início pode ter sido, a carreira internacional Di Stefano é para a Espanha acabaria por ser muito decepcionante. Ele marcou 23 gols em 31 combinado, mas nunca chegou a um torneio internacional com seu país de adoção. Espanha não conseguiu fazê-lo para a Copa do Mundo de 1958, terminando em segundo em seu grupo de qualificação atrás da Escócia. Em 1960, o regime de Franco proibiu a equipe de jogar contra a União Soviética, o que significava os espanhóis foram obrigados a se retirar do Campeonato inaugural Europeia. E quando a Espanha conseguiu se classificar para um torneio, a Copa do Mundo de 1962, Di Stefano teve de desistir devido a uma lesão, deixando-o com a honra distintamente nada invejável de melhor competir com George para o título de melhor futebolista nunca ter jogado um Mundial copo.
Em 1964, Alfredo di Stefano deixou Madrid e, finalmente, acabou jogando seu futebol no Barcelona, ​​embora em Espanyol. Ele iria jogar por mais duas temporadas antes de se aposentar com a idade de 40. Depois de pendurar as chuteiras, Di Stefano embarcou em uma carreira gerencial que iria vê-lo treinador clubes como Boca Juniors, Valencia, Lisboa Sporting, Vallecano Rayo, River Plate e Real Madrid. Ele foi mais bem sucedido nisso que a maioria, vencendo o European Cup Winners Cup e do Campeonato Espanhol com o Valencia, e da Liga Argentina com o Boca e River, mas reproduzir seu sucesso como jogador era uma tarefa Di Stefano nunca iria gerenciar.

- Jogos da Liga -
Temporada
Clube
País
Fósforos
Objetivos
1965 - 1966 Espanyol
Spain
23 4
1964 - 1965 Espanyol Spain 24 7
1963 - 1964 Real Madrid Spain 24 11
1962 - 1963 Real Madrid Spain 13 12
1961 - 1962 Real Madrid
Spain
23 11
1960 - 1961 Real Madrid Spain 23 21
1959 - 1960 Real Madrid Spain 23 12
1958 - 1959 Real Madrid Spain 28 23
1957 - 1958 Real Madrid Spain 30 19
1956 - 1957 Real Madrid Spain 30 31
1955 - 1956 Real Madrid Spain 30 24
1954 - 1955 Real Madrid Spain 30 25
1953 - 1954 Real Madrid Spain 28 27
1953 Millonarios Bogota Colombia 0 0
1952 Millonarios Bogota Colombia 24 19
1951 Millonarios Bogota Colombia 34 31
1950 Millonarios Bogota Colombia 29 23
1949 Millonarios Bogota
River Plate
Colombia
Argentina
15
12
15
9
1948 River Plate Argentina 23 13
1947 River Plate Argentina 30 27
1946 Huracán Argentina 25 10
1945 River Plate Argentina 1 0
1944 River Plate Argentina 0 0
Total:


Jogos do futebol - Diego Maradona

0 comments

- Currículo Vite -

Nome      -     Diego Armando Maradona
Born        -     30 de outubro de 1960 (Buenos Aires, Argentina)
Posição  -     Médio Ofensivo
Caps           91 (34 gols)
Clubes    -      Argentinos Juniors, Boca Juniors, Barcelona, ​​Napoli, Sevilla FC, ​​Old Boys Newell
Troféus     Argentina
                         1x Campeão do Mundo (1986)
                         Napoli
                         1x UEFA-Cup (1989)
                         2x campeão italiano (1987, 1990)
                         1x italiano Cup (1987)
                         1x Supercopa da Itália (1991)
                         Barcelona
                         1x Taça de Espanha (1983)
                         1x espanhol Taça da Liga (1982)
                         1x Supercopa da Espanha (1983)
                         Boca Juniors
                         1x Campeão Argentino (1981)
 Honras    -   5x Sul Futebolista do Ano na América (1979, '86, '89, '90, '92)
                          Liga scorer 3x Top Argentina (1979, 1980, 1981)
                          1x Top artilheiro do campeonato italiano (1988)

- Biografia -

Diego Armando Maradona venceu a Copa do Mundo de 1986 praticamente sozinho e levou a Argentina à final quatro anos depois. Ele também tomou Napoli unfancied aos seus dois únicos títulos italianos. Maradona foi controversa eleito o melhor jogador de todos os tempos em uma pesquisa realizada pela internet FIFA, para grande desgosto de Pelé e seus fãs, que sustentou que uma pesquisa de internet foi obrigado a atrair eleitores relativamente jovem. Pessoas que teriam visto jogar Maradona, Pelé, mas não.

Verdade seja dita, o título de maior jogador que nunca foi, provavelmente, um pouco de crédito em demasia. No entanto, ninguém, certamente, negar Maradona foi o melhor driblador de sempre da bal. Ele provou o máximo, quando marcou o que foi sem dúvida o maior objetivo da Copa do Mundo já em 1986. Maradona pegou a bola na linha de meio campo e imediatamente começou a deixar metade da equipe da Inglaterra para morrer antes de entalhar a bola na rede.

Esse jogo foi também aquele em que ele marcou seu 'Mão de Deus' infame gol. O incidente suja reputação de Maradona. Tanto mais, porque ele repetidamente se recusaram a admitir abertamente a manipulação da bola. Nos anos noventa sua carreira atingiu uma trajectória descendente. Ele foi suspenso quando ele testou positivo em um de doping após uma partida entre Napoli e Bari em 1990, e novamente quando ele testou positivo na Copa do Mundo de 1994. Após sua aposentadoria do futebol, sua vida foi marcada por abuso de drogas, problemas de peso e problemas cardíacos.

- Jogos da Liga -

Temporada
Clube
País
Fósforos
Objetivos
1997
Boca Juniors
Argentina
6
2
1996
Boca Juniors
Argentina
13
2
1995
Boca Juniors
Argentina
11
3
1993
Newell's Old Boys
Argentina
5
0
1992 - 1993
Sevilla FC
Spain
26
5
1991 - 1992
Napoli
Italy
0
0
1990 - 1991
Napoli
Italy
18
6
1989 - 1990
Napoli
Italy
28
16
1988 - 1989
Napoli
Italy
26
9
1987 - 1988
Napoli
Italy
28
15
1986 - 1987
Napoli
Italy
29
10
1985 - 1986
Napoli
Italy
29
11
1984 - 1985
Napoli
Italy
30
14
1983 - 1984
FC Barcelona
Spain
16
11
1982 - 1983
FC Barcelona
Spain
20
11
1981
Boca Juniors
Argentina
40
28
1980
Argentinos Juniors
Argentina
45
43
1978 - 1979
Argentinos Juniors
Argentina
26
26
1977 - 1978
Argentinos Juniors
Argentina
35
26
1976 - 1977
Argentinos Juniors
Argentina
49
19
1976
Argentinos Juniors
Argentina
11
2


Total:
491
259



Jogos do futebol - Johan Cruyff

Thursday, 1 December 2011 0 comments

       Jogos do futebol  - Johan Cruyff em ação contra a Argentina durante a Copa do Mundo 1974


Johan Cruyff, ou Cruijff como o nome é na verdade escrita, foi a estrela do holandês emocionante 1974 "Total Football" da equipe da Copa do Mundo eo Ajax Amsterdam equipe que ganhou um hat-trick de copas européias na década de setenta. Três vezes jogador europeu do ano, Cruyff foi o jogador mais talentoso europeus da sua geração, e provavelmente de todos os tempos.

Seu supremo habilidades técnicas, velocidade e aceleração, e suas idéias táticas feitas Cruyff virtualmente impossível de defender. Usando sua marca registrada Nr.14 jersey, ele geralmente jogado o centro-avante posição, mas, muitas vezes largar profunda ou mover-se para a ala para confundir e tirar seus marcadores. A introspecção tremenda tática que tinha apresentado como um jogador, Cruyff habilitado para ir a se tornar um treinador de classe mundial, após pendurar as chuteiras em 1984.

Com base no legado de seu Rinus Michels mentor, Cruyff mostrou-se o apóstolo mais incansável do futebol ofensivo da história do jogo. A posse de bola teve um papel crucial na sua filosofia de futebol. Cruyff abominava o jogo demasiado físico que foi dominante na década de 1980. Ele instruiu seus jogadores para não correr mindlessly cima e para baixo do campo, mas se concentrar no jogo de combinação e deixar a bola fazer o trabalho em seu lugar.

Ele começou sua carreira de treinador no Ajax, mas foi em Barcelona que sua visão revolucionária de um estilo de fluxo livre de ataque do futebol tornou-se realidade real quando ele montou uma equipe que incluía Michael Laudrup, Hristo Stoichkov, Ronald Koeman e Josep Guardiola. Lembrado com carinho pelos catalães como o 'Dream Team', conseguiram vencer uma série de troféus, assim como a Copa Européia de 1992.


- Jogos da Liga -

Temporada
Clube
País
Fósforos
Objetivos
1983 - 1984
Feyenoord
Holland
33
11
1982 - 1983
Ajax
Holland
21
7
1981 - 1982
Ajax
Holland
15
7
1981
Washington Diplomats
United States
5
2
1980 - 1981
Levante
Spain
10
2
1980
Washington Diplomats
United States
27
10
1979
Los Angeles Aztecs
United States
27
14
1977 - 1978
FC Barcelona
Spain
28
5
1976 - 1977
FC Barcelona
Spain
30
14
1975 - 1976
FC Barcelona
Spain
29
6
1974 - 1975
FC Barcelona
Spain
30
7
1973 - 1974
FC Barcelona
Ajax
Spain
Holland
26
2
16
3
1972 - 1973
Ajax
Holland
26
16
1971 - 1972
Ajax
Holland
32
25
1970 - 1971
Ajax
Holland
25
21
1969 - 1970
Ajax
Holland
33
23
1968 - 1969
Ajax
Holland
29
24
1967 - 1968
Ajax
Holland
33
27
1966 - 1967
Ajax
Holland
30
33
1965 - 1966
Ajax
Holland
19
16
1964 - 1965
Ajax
Holland
10
4
Total:
520
293

Jogador de futebol - Michel Platini

Wednesday, 21 September 2011 0 comments

Três vezes jogador europeu do ano e provavelmente o melhor jogador de futebol ter sido produzido por seu país, Michel Platini levou a França a Copa do Mundo duas semi-finais e para o título durante o Campeonato Europeu de 1984. Com a Juventus venceu a edição 1985 da Taça dos Campeões Europeus. Um dos maiores transeuntes da bola na história do jogo, Platini foi um arquétipo # 10, que orquestrou ataques, marcou a sua parte dos objetivos, e foi também um mestre da livre, uma habilidade que ele aperfeiçoou usando um linha de bonecos durante o treinamento.

Platini cresceu em Joeuf, uma pequena cidade no nordeste da França. O filho de um treinador de futebol, assumiu o jogo em uma idade jovem, jogando sua primeira partida oficial com a idade de nove anos de idade. Com o futebol francês na crise durante os anos sessenta e início dos anos setenta, como um jovem Johan Cruyff Platini idolatrado e da equipe do Ajax, ele foi a estrela do [1]. Platini tem o seu início em Nancy, fazendo sua estréia com a idade de dezessete anos, e estabelecendo-se como um regular nas temporadas que se seguiram. Platini ajudou o clube a captar a Copa da França em 1978, marcando o gol da vitória na final contra o Nice, antes de passar para Saint Etienne. Com Les Verts ele ganhou o campeonato francês em 1981.

Por essa altura já havia se tornado evidente para o mundo do futebol que, duas décadas depois do auge de Raymond Kopa, a França tinha sido finalmente capaz de produzir um outro jogador de classe mundial. Fazendo sua estréia internacional em 1976, ajudou a França a se classificar Platini para a Copa do Mundo pela primeira vez desde 1958. A equipe não conseguiu avançar para além da primeira rodada da Copa do Mundo de 1978, e por pouco perdeu a qualificação para o Campeonato Europeu de 1980, mas a reputação da Copa do Mundo de 1982 Platini como a estrela em ascensão do futebol europeu foi selado. Com dois gols e duas assistências, o capitão francês fez uma contribuição significativa para Les Bleus chegar ao semi-final. France caiu em uma disputa de pênaltis contra a Alemanha Ocidental, depois de um jogo que é lembrado como um clássico da Copa do Mundo.

Para todos os elogios que recebeu por seu desempenho durante o torneio, com a idade de 26 anos de idade Platini curso de prata não era impressionante, com apenas dois troféus ao seu nome. Que estava prestes a mudar como atual campeã italiana Juventus decidiu que o astro francês foi o jogador ideal para liderar o ataque. A mudança para a Juventus no Verão de 1982 foi um regresso a casa das sortes para o descendente de imigrantes italianos, mas a maioria foi uma oportunidade para realizar em um palco maior do que o campeonato francês. Foi uma decisão nenhuma das partes não viria a se arrepender, como Platini passou a levar a Juventus a uma série de troféus começando com a Copa da Itália em 1983, e ao Parlamento Europeu Taça das Taças, a Taça Super Europeia, eo Campeonato Italiano em 1984.

Apesar de nominalmente ser um meio-campista, Platini marcou nada menos que 68 gols em 147 jogos do campeonato para o Juventus, e foi coroado o melhor marcador da Serie A em três ocasiões. Proeza notável golo de Platini nunca foi mais aparente do que no Euro 1984. Platoche, como tinha carinhosamente conhecida, marcou um número recorde Campeonato Europeu de nove gols em cinco jogos, incluindo hat-tricks contra a Jugoslávia e Bélgica. Platini desempenho do que o verão se destaca como um display inigualável de classe individual durante um Campeonato Europeu. Deu futebol francês, o primeiro troféu internacional da história e firmemente estabeleceu a reputação de Platini como o melhor jogador europeu de sua geração. Platini seria votado futebolista europeu do ano em 1983, 1984 e 1985, fazendo dele o primeiro jogador desde Johan Cruyff a receber essa honra três vezes.

De volta à Juventus, Platini levou a equipa italiana para a final da Taça da Europa pela segunda vez em três anos. A final 1983 tinha sido surpreendentemente perdeu para o Hamburger SV, mas desta vez uma vitória por 1-0 sobre o Liverpool viu Juve vencer a Taça da Europa pela primeira vez na história do clube. Platini ainda marcou o gol da vitória do pênalti, após Zbigniew Boniek tinha sido trazido para baixo na caixa. Infelizmente, a vitória foi totalmente ofuscada pela tragédia Heizel, em que 39 Juventus-fãs perderam suas vidas. Platini descreveria mais tarde naquela noite como sua maior decepção no futebol [2]. Juventus conquistou a Copa Intercontinental no final daquele ano, batendo Argentinos Juniors nos pênaltis após um empate 2-2. A próxima temporada de Platini levou o clube para o Campeonato Italiano pela segunda vez, antes de partir para o México para competir em sua terceira Copa do Mundo com a seleção francesa.

No México, o melhor jogador europeu da década de oitenta viu-se ofuscado por Diego Maradona, que usou o torneio para ressaltar seu status como o melhor jogador de sua geração. Assim como quatro anos antes, a Copa de 1986 viu a França chegar à semi-final. Platini voltou em algumas performances fortes, mas não foi totalmente em forma e não conseguiu reproduzir o desempenho rampaging que tinha visto levar a França ao título europeu dois anos antes. Depois de vitórias sobre Itália e Brasil, foi Alemanha Ocidental que, mais uma vez, ficou no caminho de um lugar na final para a França.

A temporada seguinte foi um decepcionante. Juventus não conseguiu fazer um impacto sobre a Liga dos Campeões e também viu-se incapaz de ganhar um troféu nacional. Embora tivesse apenas atingido a idade de 32, Platini decidir chamá-la naquele verão. Após sua aposentadoria como jogador ele era gerente nacional da França por quatro anos. Mas, embora a equipa marcou até uma corrida de 19 jogos sem perder, ganhando elogios de Platini, eles não conseguiram realizar quando realmente importava. Platini deixou o cargo após a eliminação da França na primeira rodada durante o Euro 1992. Desde então ele tem sido ativo como representante oficial do esporte e ocupou várias funções. Em 2007, Platini foi eleito presidente da UEFA, Lennart Johansson derrubada por 27 votos a 23.

Jogador de futebol - Franz Anton Beckenbauer

Thursday, 25 August 2011 0 comments

Name Franz Anton Beckenbauer
Nascido 11 setembro de 1945 - (Munich, Germany )

Apelidado de "der Kaiser", Franz Beckenbauer foi o esteio da Copa do triplo do Bayern de Munique Europeu vencedora equipe de meados dos anos setenta. Ele também foi capitão de seu país para a Copa do Mundo 1974, realizada na Alemanha.

Um varredor elegante, Beckenbauer era conhecido por sua técnica excepcional e discernimento tático. Como gerente, ele dirigiu o lado alemão nacional para a sua Copa do Mundo de 1990 vencer em Itália.


- Jogos da Liga -

Temporada
Clube
País
Fósforos
Objetivos
1983 New York Cosmos United States 25 2
1981 - 1982 Hamburger SV West Germany 10 0
1980 - 1981 Hamburger SV West Germany 18 0
1980 New York Cosmos United States 26 4
1979 New York Cosmos United States 12 1
1978 New York Cosmos United States 27 8
1977 New York Cosmos United States 15 4
1976 - 1977 Bayern Munich West Germany 33 3
1975 - 1976 Bayern Munich West Germany 34 5
1974 - 1975 Bayern Munich West Germany 33 1
1973 - 1974 Bayern Munich West Germany 34 4
1972 - 1973 Bayern Munich West Germany 34 6
1971 - 1972 Bayern Munich West Germany 34 6
1970 - 1971 Bayern Munich West Germany 33 3
1969 - 1970 Bayern Munich West Germany 34 6
1968 - 1969 Bayern Munich West Germany 33 2
1967 - 1968 Bayern Munich West Germany 28 4
1966 - 1967 Bayern Munich West Germany 33 0
1965 - 1966 Bayern Munich West Germany 33 4
1964 - 1965 Bayern Munich West Germany 31 16
Total: 560 79

Jogador de futebol - Pelé

0 comments

Pergunte fãs de futebol para nomear o melhor jogador de sempre, e as chances são eles virão para cima com o nome de Pelé, mesmo se eles são jovens demais para ter visto ele jogar. Ele fala muito sobre a força da lenda que surgiu em torno da frente famosa do Brasil. Isso significa que a escolha é infundada? Não realmente. Com três Copas do Mundo ao seu nome, e uma contagem de carreira total de mais de 1.200 gols, não pode haver dúvida de Pelé pedigree. 

Pelé nasceu sob o nome de Edson Arantes do Nascimento na vila Três Corações, filho de um jogador de futebol conhecido como Dondinho, que a carreira foi frustrado por um joelho ruim. Ele cresceu na pobreza, na cidade de Bauru, na província de São Paulo. Como um menino Pelé ajudou a aliviar problemas da família finanças limpando sapatos na estação de trem local. Ele começou a jogar futebol nas ruas, usando uma meia recheada com trapos e papel como uma bola. Em 1954, Pelé foi escolhido para jogar no time de juniores recém-fundada do clube que seu pai tinha jogado, o Clube Atlético Bauru. As coisas foram tratadas profissionalmente, Pelé recebeu uma taxa de jogar eo time foi treinado pelo ex-internacional brasileiro Waldemar de Brito, que jogou pelo Brasil durante a Copa do Mundo de 1934. 


Na escola Pelé realizada abissalmente, e foi retida por três vezes, mas no campo de futebol era a sua estrela em ascensão. Não demorou muito para que os clubes começaram a mostrar interesse no atacante jovem e talentoso. Seguindo o conselho de Waldemar de Brito, Pelé optou por se juntar Santos FC, um clube de futebol de sucesso da cidade litorânea de mesmo nome. Santos jogou no Paulista, a liga centrado em torno de São Paulo. Pelé jogou seu primeiro oficial para Santos com a idade de dezesseis anos. Naquele ano, ele imediatamente deixou sua marca, marcando 36 gols em 29 partidas. O Pelé na próxima temporada foi ainda mais impressionante, marcando 58 gols em 38 partidas.

 Pelé passando um oponente durante a Copa do Mundo 1958

Sua estréia avassaladora como um jogador de futebol profissional rapidamente resultou em um lugar na seleção brasileira e uma vaga na Seleção para a Copa do Mundo de 1958. A lesão no joelho impediu-o formulário participantes nos dois primeiros jogos do torneio, mas no último jogo da fase de grupos, contra a União Soviética, Pelé fez sua estréia na Copa do Mundo. Ele não conseguiu marcar um gol naquele jogo, mas nos jogos que se seguiram ao jovem atacante afirmou-se. Ele marcou o único gol na partida das quartas final contra País de Gales, um hat-trick na semi-final contra a França, e mais dois golos na final contra a Suécia. Dezessete anos, ele foi (e é) o mais jovem vencedor da Copa do Mundo da história.

Pelé foi rápido, forte, um cabeçalho de bom e driblador da bola, mas acima de tudo, ele possuía uma greve poderosa e precisa em ambas as pernas. A avalanche de gols que ele produziu para Santos, onde ele se juntou com seus companheiros estrangeiros, como Zito e Carlos Alberto, ajudou o clube a vencer uma série de troféus. Eles ganharam o campeonato nacional brasileira, o Brasil Taça, cinco vezes seguidas, de 1961 a 1965. Em 1962 e 1963 o clube venceu a Copa Libertadores, seguido em ambas as vezes com a vitória na Taça Intercontinental, batendo o Benfica de Eusébio e AC Milan é Gianni Rivera, respectivamente.

   Pelé em ação para as Canárias Amarelo

Houve pouca alegria de Pelé em Copas do Mundo na década de 1960. Em 1962 ele foi ferido fora do torneio no início, e teve de assistir como espectador como seus companheiros de equipa defendeu com sucesso seu título, com Garincha jogar o papel principal em sua ausência. Em 1966 a Copa do Mundo terminou com um amargo desapontamento, como o atual campeão caiu na fase de grupos do torneio. Amargamente desapontados, Pelé decidiu encerrar sua carreira internacional. Sua aposentadoria do estágio intencional duraria dois anos, mas como o Wold Cup 1970 se aproximava, Pelé, que marcou seu milésimo gol como jogador em 1969, mudou de idéia e voltou para a Seleção.

Ele não iria se arrepender de sua decisão. A seleção brasileira 1970 é considerado por muitos como o melhor time sempre nacional. Jogando de forma oscilante e ataque de espírito de samba-futebol, eles capturaram Copa do Brasil do Mundo de terceiros. Papéis principais foram interpretados por nomes como Carlos Alberto, Gerson, Jairzinho, Tostão, Rivelino, Pelé e claro. Na final do torneio de Itália foram irremediavelmente ultrapassado e teve que conceder quatro gols, apesar de sua abordagem defensiva para o jogo. O triunfo enfático 1970 Copa do Mundo deu Pelé para acabar com sua carreira internacional em uma nota elevada. Ele jogou seu último jogo para o Brasil no verão de 1971, contra a Iugoslávia no estádio carioca Maracanã.

   Pelé como um embaixador do futebol nos USA

Em 1974, com a idade de 34 anos, Pelé decidiu que tinha chegado a hora de pendurar as chuteiras todos juntos. Mas sua aposentadoria do futebol viria a ser de curta duração. Um ano depois, Pelé, motivado em parte por problemas financeiros, viu-se na altura, decidiu sair da aposentadoria. Ele aceitou uma oferta para se juntar New York Cosmos, um dos clubes que formaram o famoso North American Soccer League. Na NASL Pelé ganhou um salário que só poderia ter sonhado durante seus anos com o Santos. Ele reembolsou o campeonato jogando o papel de embaixadora da boa vontade para o futebol nos Estados Unidos para a perfeição.

Em 01 de outubro de 1977, em frente de uma multidão 75.000 forte, Pelé jogou sua última partida, um jogo entre New York Cosmos e Santos, com o grande homem jogando uma metade para cada equipe. Desta vez, sua aposentadoria como jogador iria revelar permanente. New York Cosmos havia vencido a NASL naquele ano, de modo que "O Rei" poderia deixar a cena do clube assim como ele havia deixado a cena internacional, com a cabeça erguida. Era o fim de uma carreira que, se estão incluídos amistosos, o vi marcar 1283 gols em 1367 partidas. Após sua aposentadoria Pelé continuou desempenhando o papel de embaixadora da boa vontade para o futebol. Ele também foi ministro brasileiro do Desporto por um tempo.